> Notícias

O poder da alimentação consciente


font_add font_delete printer
Essa prática se caracteriza por estado mental de atenção plena, no qual se controla a capacidade de concentração em atividades, experiências e sensações do presente. Foto: Domínio Público

Essa prática se caracteriza por estado mental de atenção plena, no qual se controla a capacidade de concentração em atividades, experiências e sensações do presente. Foto: Domínio Público

Técnica, que alia meditação à boa alimentação e emagrecimento, propõe autoconhecimento e vivência do presente no ato da nutrição, experimentando sabores, texturas e aromas

12/03/2018

 

A alimentação é um ato instintivo e caracterizado, sob o ponto de vista biológico, como a simples ingestão de nutrientes essenciais ao bom funcionamento do organismo. Entretanto, a relação humana com a comida ultrapassa a mera satisfação de uma necessidade. “Comer virou sinônimo de deleite e emoção: traz conforto, bem-estar e, muitas vezes, até culpa”, afirma o médico e nutrólogo Dr. Lucas Penchel.

Estabelecer uma relação saudável com a comida é a proposta do Mindful Eating que, em tradução livre, significa alimentação consciente. A prática – que não é uma dieta – está presente em todos os programas das técnicas meditativas orientais como o Mindfulness. Essa prática se caracteriza por estado mental de atenção plena, no qual se controla a capacidade de concentração em atividades, experiências e sensações do presente.

De acordo com médico, o ato de se alimentar conscientemente é um processo educativo que, além de ajudar a sanar desordens alimentares, como a compulsão, induz o indivíduo a fazer escolhas saudáveis que sejam prazerosas e satisfaçam suas necessidades físicas e psicológicas.

Veja dicas para quem deseja despertar o alimentar consciente:

 .Esteja no presente: primeira fase do processo – com ou sem comida –, consiste em perceber pensamentos, sensações e sentimentos. A respiração funciona como âncora para vivenciar o agora;

.Entre em sintonia com seu corpo: O corpo fala por sinais. Observa-los ajuda a diferenciar a fome fisiológica da emocional. A barriga ronca ou você está ansioso? Sintonize-se com você mesmo;

.Saboreie: Perceba o aroma e a textura. Ouça os sons e diferencie sabores. A consciência do que estamos comendo consente percepções mais aguçadas que relacionam enorme prazer ao ato;

.Viva o momento: Quando for se alimentar, esteja completamente presente somente nisso. Desligue-se das distrações – celular, TV, jornal, computador, entre outros – e evite multitarefas. Isso ajuda a prestar atenção na comida;

.Se aceite sem julgamentos: Dialogue consigo mesmo com compaixão, gentileza e ternura. Críticas ficam registradas em forma de energia negativa no corpo. Evite regras severas e dieta milagrosas. Ouça o seu corpo. O processo é gradual. Fique atento ao dia-a-dia e aprenderá cada vez mais os sinais que ele dá;

.Abra o coração e conduza as transformações: Quando for abordado por pensamentos incômodos, não brigue com eles. Direcione-os, gentilmente, para a prática e o intuito de mudar sua relação com mente, corpo e alimentos.


Compartilhe




Outras Notícias