O canto do bicudo continua lindo



Informe Publicitário
Edição 114 - Publicado em: 19/12/2018

Ave classificada como “criticamente ameaçada”, o bicudo ganhou um novo hábitat na natureza: a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Porto Cajueiro, de propriedade da Usina Coruripe, em Januária, Norte de Minas. Quatro casais foram reintroduzidos na área no dia 27 de novembro último e, dependendo da adaptação deles, mais um deverá ser solto em breve.

A Usina Coruripe se uniu ao Projeto Bicudo, criado em 2012, para ampliar a população dessa espécie no Brasil. De acordo com o professor Flávio Kulaif Ubaid, coordenador da iniciativa, desde essa época foram visitadas mais de 50 áreas no país onde havia a ocorrência do pássaro. Infelizmente, foi constatado que a espécie está praticamente extinta na natureza.

Ela foi encontrada apenas em uma pequena área do Mato Grosso, que serviu de base para os estudos do programa de reintrodução, com a análise dos hábitos de vida e do seu comportamento. “A distribuição do bicudo era bem ampla no Brasil. Devido ao seu extraordinário canto, a espécie passou a ser caçada e se tornou alvo do comércio clandestino, culminando na sua extinção”, afirmou Ubaid.

Durante a pesquisa de campo, o professor identificou também grandes áreas de ambiente disponível para reintrodução, como no Norte de Minas, que tinha registro histórico da ave. Foi quando propôs a parceria à RPPN Porto Cajueiro, principalmente, por ser uma área protegida.

Uma outra reintrodução, com sucesso, já havia sido feita em 2016, no interior de São Paulo. Mas, como é em área aberta, o pesquisador mantém sigilo sobre o local.

O gerente de Sustentabilidade da Usina Coruripe, Bertholdino Apolônio Junior, diz que a empresa apoiou a causa porque viu nela uma oportunidade de contribuir para que o bicudo voltasse a cantar pelas veredas da região. Este projeto conta também com recursos do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos – Cerrado e, apenas no primeiro ano, estima-se um custo de R$ 100 mil.

Na RPPN Porto Cajueiro, os bicudos estavam instalados em cinco viveiros e agora estão sendo monitorados na natureza, o que ocorrerá até 2020. “A Coruripe realiza uma série de projetos ambientais e sociais, mas este é o primeiro de reintrodução de pássaros.” Segundo Bertholdino, está prevista ainda a reintrodução do mutum-de-alagoas, espécie também ameaçada de extinção, no estado de Alagoas.

Fique por dentro

O bicudo é um pássaro nobre e desperta a atenção pela sua elegância. Ao cantar, costuma abaixar o rabo e empinar o peito, ressaltando a aparência de guerreiro. Quando adultos, os machos apresentam plumagem preta, com mancha branca na parte externa das asas. As fêmeas e os filhotes têm plumagem parda, em tons de castanho. Seu canto é melodioso, rico em notas e com voz flauteada. A frase musical do canto dos bicudos apresenta, por vezes, mais de 20 notas.

Parceiros pró-bicudo: Usina Coruripe/Idese; Instituto Ariramba de Conservação da Natureza; CEPF/IEB; Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza; Clube dos Criadores de Bicudos de Canto do Brasil; Universidade Estadual do Maranhão; Museu de Zoologia da USP; Universidade Federal de São Carlos; Angá; Semad/IEF.


Postar comentário