Árvore rara de 535 anos é derrubada e vira cerca em Santa Catarina

Com altura de aproximadamente 30 metros e grossa a ponto de seis pessoas completarem um “abraço no tronco”, caso é considerado crime ambiental
Matheus Muratori - redacao@souecologico.com
Meio Ambiente
Publicado em: 04/12/2019

Uma imbuia gigante de aproximadamente 30 metros de altura e 535 anos foi cortada e teve a madeira utilizada para confecção de cercas na cidade de Vargem Bonita, em Santa Catarina. Foi o que concluiu uma operação da Polícia Militar Ambiental catarinense na última semana.

Segundo as investigações, o caso aconteceu em um terreno na via Linha Coração, em fevereiro de 2018. Professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e especialista em árvores gigantes, Marcelo Scipioni abominou o caso.

"É um problema cultural do nosso país, onde as pessoas não sabem o valor de uma árvore. Aquelas que caem por ação da natureza deveriam ser exploradas de forma mais nobre, virar peça de museu. Mas fazer uma derrubada de uma árvore rara saudável para fazer palanque de cerca é duplamente criminoso", disse à BBC Brasil.

Restante do tronco da imbuia foi plantado em uma sede da polícia (Divulgação/Polícia Militar Ambiental de Santa Catarina)
Restante do tronco da imbuia foi plantado em uma sede da polícia (Divulgação/Polícia Militar Ambiental de Santa Catarina)

A idade da imbuia foi descoberta depois de uma pesquisa de Scipioni e outros dois especialistas. Essa árvore, chamada cientificamente de Ocotea porosa, pode ser encontrada em florestas de araucária também nos estados do Paraná e do Rio Grande do Sul.

Essa espécie está na lista de espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção. Com isso, "coleta, corte, transporte, armazenamento, manejo, beneficiamento e comercialização" da imbuia são proibidos por lei, à exceção de "exemplares cultivados em plantios devidamente licenciados".

"Nunca tinha visto uma árvore assim, desse tamanho, cortada desse jeito. É bem triste porque, além de ser uma espécie ameaçada de extinção, é centenária e rara. Um desperdício", disse o policial militar ambiental Teylor Comunello, também à BBC.

O tronco que sobrou da árvore foi plantado na sede da Polícia Militar Ambiental da cidade de Joaçaba. Nenhum suspeito do crime foi localizado, mas a corporação segue com a investigação.


Postar comentário