Atos em defesa da Amazônia levam milhares de pessoas às ruas nesse fim de semana

Manifestações começaram na última sexta-feira (23) e tiveram fim nesse domingo (25)
Matheus Muratori - redacao@souecologico,com
Meio Ambiente
Publicado em: 26/08/2019

Milhares de pessoas foram às ruas em defesa da Amazônia nesse fim de semana no Brasil e em todo mundo. Os atos, inclusive, tiveram início na última sexta-feira (23), em países como Alemanha, Argentina, Espanha, Estados Unidos, França, Índia, Irlanda, México, Nova Zelândia e Portugal, assim como no próprio território nacional.

Depois das primeiras manifestações na sexta, os atos se intensificaram no fim de semana. Foi o caso da cidade de Belo Horizonte: as pessoas foram às ruas no sábado (24) e no domingo (25).

No domingo, manifestantes se reuniram na Praça do Papa (Foto: Matheus Muratori/Sou Ecológico)
No domingo, manifestantes se reuniram na Praça do Papa (Foto: Matheus Muratori/Sou Ecológico)

O maior ato da capital mineira aconteceu no domingo. Segundo os organizadores, cerca de três mil pessoas estiveram durante a manhã na Praça do Papa, na Região Centro-Sul de BH.

O lema do ato foi: “Amazônia fica, Bolsonaro sai”. Mesmo assim, manifestações políticas por parte de alguns partidos e outras lideranças pediam a libertação do ex-presidente Lula, preso por corrupção passiva e lavagem de dinheiro em 2018.

A técnica em meio ambiente Vânia Reis, de 49 anos, foi ao ato com dois sobrinhos. Ela exaltou a importância da educação ambiental desde a infância.

“Temos que começar desde cedo com a educação ambiental, já com as crianças. O que fizeram é realmente um absurdo e, infelizmente, o trabalho não é feito desde casa. Isso é outro ponto que precisa mudar”, disse, ao Sou Ecológico.

Vânia destacou a importância da educação ambiental (Foto: Matheus Muratori/Sou Ecológico)
Vânia destacou a importância da educação ambiental (Foto: Matheus Muratori/Sou Ecológico)

Já o engenheiro civil Felipe Costa, de 27 anos, criticou o agronegócio no Brasil. “Concluí com estudos que 85% da área desmatada da Amazônia está sendo ocupada por soja, milho e pasto, sendo que 70% é pasto. Isso corresponde a um território maior do que a França. O Brasil é o quarto país que mais consome carne no mundo, tendo o maior rebanho. Está claro que na expansão da fronteira agrícola, destruindo a Amazônia, a principal motivação é a carne bovina. Acho que nós, como consumidores, temos que dar um recado e boicotar isso”.

Felipe pediu reflexão para o consumo de carne (Foto: Matheus Muratori/Sou Ecológico)
Felipe pediu reflexão para o consumo de carne (Foto: Matheus Muratori/Sou Ecológico)

Já a analista ambiental Rosa Maria Medeiros, de 50 anos, sintetizou o que representou o ato para ela. A ambientalista presta serviços para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - Ibama.

“Esse ato foi chamado por outras organizações, e com isso congrega diversas pessoas que trabalham em diferentes áreas, seja das águas, dos atingidos por barragens, no nosso caso específico aqui. É uma forma de mostrarmos que estamos em desacordo com essa política adotada pelo Bolsonaro, de destruição da floresta e total negligência”.

Rosa Maria demonstrou descontentamento com a política ambiental do atual governo (Foto: Matheus Muratori/Sou Ecológico)
Rosa Maria demonstrou descontentamento com a política ambiental do atual governo (Foto: Matheus Muratori/Sou Ecológico)

As manifestações em todo mundo foram desencadeadas depois do aumento das queimadas (83%, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE) e do desmatamento (15%, segundo o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia - Imazon) na Amazônia.


Postar comentário