BH pode ganhar “bueiros inteligentes”

PL em tramitação na Câmara de Vereadores propõe a instalação de dispositivos para reter lixo e evitar entupimentos
Da Redação / redacao@revistaecologico.com.br
Política Ambiental
Publicado em: 23/05/2019

Uma situação que se repete todos os anos. Durante o período chuvoso, os moradores de Belo Horizonte sofrem com enchentes que alagam ruas, avenidas e destroem imóveis, gerando vários prejuízos para a população e a cidade. Buscando uma forma de evitar que esse problema se repita, a Comissão de Meio Ambiente e Política Urbana referendou, no início desta semana, projeto de lei que propõe a instalação de “bueiros inteligentes”. Eles dispõem de um dispositivo removível que retém os resíduos sólidos, evitando a obstrução das redes de escoamento.

O PL 680/19, de autoria do vereador Catatau do Povo (PHS), já está tramitando em primeiro turno. Ele autoriza o Executivo a remodelar e adaptar os equipamentos públicos de escoamento de água ("bocas de lobo"), implantando "bueiros inteligentes" no âmbito do município. “O projeto é inovador e poderá contribuir para solucionar o problema das inundações causadas por deficiências na drenagem da água pluvial”, garantiu o relator do projeto, Edmar Branco (Avante).]

PL 608/19 avança na CMBH. Foto: Karoline Barreto/CMBH
PL 680/19 avança na CMBH. Foto: Karoline Barreto/CMBH

Entre as causas desses alagamentos, Branco aponta a intervenção humana “desastrosa” nos cursos da água sem um sistema adequado de escoamento. Para piorar a situação, muitos bueiros da capital encontram-se obstruídos pelo acúmulo de folhas, lixo e resíduos descartados incorretamente.

O presidente da comissão, Elvis Côrtes (PHS), citou a instalação de equipamentos similares em Curitiba (PR), onde o material retido é recolhido a cada 30 dias. Ele observou também que a medida geraria um alto custo para a Prefeitura. Mesmo reconhecendo a geração de despesas, o relator reafirmou o mérito da proposta, cujos benefícios justificariam o investimento dos recursos.

Visita técnica

Durante a sessão, foi acolhido requerimento do Professor Juliano Lopes (PTC), que solicita a realização de uma visita técnica ao Condomínio Residencial Diamante, no bairro de mesmo nome. A intenção é averiguar de perto os danos estruturais sofridos pelos apartamentos em decorrência das chuvas. “Não existe boca de lobo na Rua Maria Elizabeth Pessoa, onde o imóvel está situado, o que provavelmente inviabiliza o escoamento da água pluvial”, destacou Lopes no requerimento, que contém várias imagens do local. O coordenador da Administração Regional do Barreiro, o presidente da Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) e o gerente do distrito Regional Sudoeste Barreiro da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) serão convidados para acompanhar a atividade, prevista para o dia 30 de maio.

(*) Com informações da CMBH.


Postar comentário