Brasil lidera descarte de lixo eletrônico na América Latina

Cartuchos e toners de impressoras são principais poluidores do meio ambiente. Distribuidor de toner ensina a minimizar impactos com pequenas mudanças e escolhas responsáveis
Reciclagem
Publicado em: 17/09/2018

Com 1,5 mil toneladas de e-lixo jogados fora anualmente, o Brasil é o sétimo maior produtor do mundo e lidera entre os países da América Latina, de acordo com o estudo Global E-Waste Monitor, realizado pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Apenas 3% é coletado de maneira adequada, um dado preocupante, uma vez que, devido à composição química, suprimentos de informática, como os cartuchos de impressoras, podem prejudicar o meio ambiente, caso sejam descartados em lixo comum.

Para diminuir esse impacto ambiental, Rodrigo Oliveira, especialista do Distribuidor de Toner explica como fazer a destinação correta dos resíduos e destaca os investimentos do setor em novas tecnologias sustentáveis.

O pó de toner contém carbono, polímeros e resinas que, apesar de não serem considerados tóxicos, exigem cuidados na hora de descartar. Sua queima pode liberar metais e, consequentemente, produzir gás metano, levando a parada cardíaca e asfixia em humanos, além de potencializar o efeito estufa. Altamente inflamável, o pó também pode causar explosões. Já os cartuchos de jato de tinta são formados por resinas, solventes e corantes que podem contaminar o solo e o lençol freático, afetando principalmente a água que consumimos, assim como a irrigação das plantações”, explica Oliveira.

Preocupadas com essa prática, grandes marcas que atuam em território nacional adotam políticas de retorno do cartucho vazio, uma opção de descarte responsável. Seja com postos de coleta em parceria com estabelecimentos comerciais ou agendamento prévio para retirada dos produtos, elas ainda garantem o reaproveitamento de partes recicláveis.

A HP e a Lexmark, por exemplo, têm desenvolvido projetos e priorizado produtos com cerca de 20% de sua composição proveniente dessa reciclagem e, assim, também usam menos material.

“Outro grande avanço em relação ao meio ambiente é o investimento em impressoras mais eficientes, que poupam até 35% de energia se comparadas às mais antigas, além de tecnologias como o uso de cera que deixa bem menos resíduo após o uso.

Alguns modelos Xerox trabalham, por exemplo, com impressão totalmente feita à base desse material, denominado tinta sólida, enquanto a Samsung o utiliza para revestir o pó de toner dos suprimentos”, detalha o especialista do Distribuidor de Toner.

A conscientização do consumidor também é importante no momento de comprar um novo equipamento. Procurar modelos com certificação de sustentabilidade, como o selo Energy Star, e avaliar o gasto de energia tanto para operação quanto em modo de espera, são algumas das recomendações.


Postar comentário