Brasil reduz emissões no setor florestal

Resultado, segundo governo federal, permitiu que o país alcançasse meta estabelecida em 2009, durante a Cúpula do Clima de Copenhague
Mudanças Climáticas
Publicado em: 12/12/2018

O Brasil atingiu este ano a meta de redução em até 38% das emissões de carbono na área florestal. A redução foi de 1,28 bilhão de toneladas de dióxido de carbono (CO2), entre agosto de 2017 e julho de 2018, o que representa uma redução de 60% no volume emitido por atividades florestais.

O dado, baseado em cálculos de absorção de carbono pelas florestas brasileiras, foi divulgado durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 24), que está sendo realizada em Katowice, na Polônia.

De acordo com o relatório, o setor florestal deixou de ser a maior fonte de emissão de carbono no país (já foi responsável por cerca de 75% do total de emissões anuais) e, em 2018, absorveu 538 milhões de toneladas de CO2 da atmosfera.

A redução das emissões florestais permitiu que o país alcançasse a meta estabelecida em 2009, durante a Cúpula do Clima de Copenhague. Na ocasião, o país se comprometeu a reduzir as emissões em torno de 36 a 38% até 2020.

De acordo com o governo brasileiro, o resultado foi alcançado devido à redução do desmatamento na Amazônia, no Cerrado e à absorção de carbono por terras indígenas e áreas verdes preservadas em reservas legais ou propriedades privadas.

O registro de mais de 5,4 propriedades rurais com áreas de conservação ambiental pelo Cadastro Ambiental Rural (CAR) também permitiu a identificação de áreas com capacidade de absorção de carbono.

Desmatamento do Cerrado

O levantamento divulgado na Polônia também mostra que o desmatamento do Cerrado diminuiu 11% em 2018. Segundo dados do governo federal, este é o menor nível de área desmatada desde o início de análise da série, em 1999. O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul e se estende por mais de 2 milhões de Km2. Mais da metade de sua área já foi degradada, principalmente com o avanço da fronteira agrícola.

O Brasil também anunciou que foram recuperadas 9,4 milhões de hectares de vegetação nativa da Amazônia, de 2004 a 2014. A área restaurada permitirá ao país atingir a meta de recuperar 12 milhões de hectares da vegetação florestal até 2030. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, a recuperação da vegetação nativa é prioridade da política ambiental brasileira.

O ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, comemorou os resultados. “Os números confirmam a contribuição brasileira para redução dos gases efeito estufa no mundo. O Brasil vem fazendo um papel importante. Isso deve servir de estímulo para se fazer mais.”

Fonte: Agência Brasil


Postar comentário