Caixas de leite reutilizadas viram elemento de controle solar

Desenvolvida pelo Laboratório de Conforto Térmico do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade, em Florianópolis, técnica controla iluminação natural e garante melhoria do desempenho térmico
Da Redação / Ecológico - redacao@souecologico.com
Sustentabilidade
Publicado em: 22/08/2019

Alunos e professores do Laboratório de Conforto Ambiental (Laca) do curso de Arquitetura e Urbanismo, da Escola de Artes, Comunicação e Hospitalidade, do Campus da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), em Florianópolis, desenvolveram uma solução criativa para impedir a incidência direta de radiação solar. Os jovens reutilizaram caixas de leite e suco para criar um quebra-sol (ou brise-soleil).

Divulgação/Univali
Divulgação/Univali

Normalmente esse tipo de dispositivo arquitetônico integra a fachada das edificações. Na solução desenvolvida por Rafael Prado Cartana, professor e coordenador do Laca/Univali, e aplicada pelo grupo de alunos do laboratório, durante uma oficina, as caixas de suco e de leite foram cortadas e coladas, em ângulo, para promover, pela área interna do ambiente, a obstrução da radiação solar direta, causar o mínimo de restrição visual e permitir boa admissão de luz natural.

Por meio de modelagens e simulações computacionais o grupo calculou qual o efeito da aplicação dos modelos na janela do espaço.

"Consideramos as características do material utilizado, suas possibilidades geométricas de montagem e composição, associadamente ao seu desempenho térmico e lumínico"”, diz Rafael Prado Cartana, professor e coordenador do Laca/Univali.

Ele explica, ainda, que as simulações demonstram, para diferentes datas e horários, que o sistema proposto evita a admissão direta de sol e que os testes já realizados demonstraram que, com a aplicação do método, tanto a iluminação quanto a sensação térmica do ambiente foram melhoradas.

Em 2018, o mesmo grupo utilizou técnicas de dobraduras de papel para reduzir a incidência direta de radiação solar em seu próprio laboratório.

Fonte: Univali


Postar comentário