Começa a COP 24 na Polônia

Representantes de mais de 100 países se aliam em busca de compromissos e avanços concretos rumo a uma transformação total de nossas sociedades e da economia global

Mudanças Climáticas
Publicado em: 03/12/2018

A partir desta segunda-feira (3/12), representantes de mais de 100 países se reúnem na cidade de Katowice, na Polônia, para a 24ª Conferência de Partes da ONU para o Clima (COP 24) das Nações Unidas. O encontro vai até dia 14 e o WWF-Brasil preparou um documento com as expectativas de resultados e avanços a serem alcançados.

A COP 24 foi precedida pela notícia de que o Brasil desistiu de sediar a conferência do ano que vem, a última antes do ‘super ano’ de 2020, quando as metas do Acordo de Paris começam a valer, ao mesmo tempo em que a Organização Meteorológica Mundial anunciou que 2018 caminha para ser o quarto mais quente de toda a história.

“Desde que o Acordo de Paris foi assinado, em dezembro de 2015, o mundo vem batendo uma série de recordes de temperatura e, não coincidentemente, tem sofrido cada vez mais com os efeitos de desastres naturais extremos. Ao mesmo tempo, estudos e iniciativas demonstram que um futuro de segurança climática é possível, desde que ajamos imediatamente. A COP de Katowice é o momento de pesar todos esses fatores e avançar de fato na luta contra as mudanças climáticas, entregando resultados palpáveis”, afirma Mauricio Voivodic, diretor-executivo do WWF-Brasil.

Para contribuir com o entendimento do cenário e do que esperar para a conferência de Katowice, o WWF preparou seu tradicional documento Expectativas para a COP, no qual faz uma análise dos movimentos e iniciativas recentes e descreve o que o encontro deve entregar para que seja bem-sucedido.

Comprometimentos e diretrizes

As expectativas são que o Pacote de Katowice (como estão sendo chamados os resultados que serão entregues nesta conferência) inclua diretrizes e comprometimentos claros para a melhoria e o sucesso na implementação das metas nacionais (NDCs). Sobretudo, compromissos para aumentar as ações urgentes e os financiamentos correspondentes, além da finalização e da adoção do Livro de Regras do Acordo de Paris.

“O Acordo de Paris foi um ganho inestimável, mas ainda estamos muito distantes do que ele propõe. Atingir a meta de 1,5°C exigirá uma transformação total de nossas sociedades e da economia global. É um caminho sem volta e o Brasil tem papel fundamental nesse processo. Quanto mais rápido agirmos, mais teremos a ganhar. Para isso, todos nós, governos, ONGs, empresas, sociedade em geral, devemos participar desse esforço, que é global, mas que tem consequências locais”, frisa André Nahur, coordenador do programa Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil.

Fonte: WWF