CPI das Barragens irá ouvir representantes de órgãos de Meio Ambiente de MG

Em oitivas na CMBH, IGAM, FEAM e IEF irão explicar a situação atual das reservas florestais e das bacias hidrográficas após o rompimento da barragem em Brumadinho
Da Redação / redacao@revistaecologico.com.br
Mineração
Publicado em: 01/07/2019

Com o objetivo de apurar riscos de atingimento das bacias hidrográficas e das reservas florestais da Região Metropolitana de Belo Horizonte, após o rompimento da barragem da Mina de Córrego do Feijão (Vale), a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Barragens da Câmara Municipal de BH irá realizar oitivas amanhã (02/07), no Plenário Helvécio Arantes, na sede da CMBH.

Na ocasião, serão ouvidos representantes do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM), da Fundação Estadual de Meio Ambiente (FEAM) e do Instituto Estadual de Florestas (IEF). No dia 25 de janeiro, a barragem da mineradora Vale se rompeu e deixou mais de 240 mortos – a maioria funcionários da própria empresa – e a lama do minério atingiu vários rios da região. Incluindo o Paraopeba, que tem papel fundamental para o abastecimento da capital mineira.

Foto: Vinícius Mendonça/Ibama
Foto: Vinícius Mendonça/Ibama

As oitivas foram requeridas pelos vereadores Bella Gonçalves (Psol); Edmar Branco (Avante); Gabriel (PHS); Irlan Melo (PL); Pedrão do Depósito (PPS) e Wesley Autoescola (PRP). Além de apurar o impacto dos rejeitos de minério nos rios que circundam BH, a Comissão também pretende averiguar novos riscos de atingimento caso outras estruturas de contenção do material venham a se romper. Apenas a Vale tem 33 barragens paralisadas pela Justiça em Minas, por conta da segurança das estruturas. Três dessas barragens estão na região de Brumadinho, palco do acidente de janeiro. Em maio, a mineradora informou em seu site oficial que investirá 11 bilhões de reais em processamento a seco de minério de ferro nos próximos cinco anos. Por não usar água no processo, o método é mais seguro: não gera rejeito e, portanto, não utiliza barragens.

(*) Com informações da Superintendência de Comunicação Institucional da CMBH e da Agência Brasil.


Postar comentário