Estudantes de BH se inspiram em Greta Thunberg e organizam manifestações em prol do meio ambiente

Jovens esperam reunir grande números de pessoas em um novo ato em setembro
Matheus Muratori - redacao@souecologico.com
Meio Ambiente
Publicado em: 30/08/2019

A jovem ativista ambiental sueca Greta Thunberg, de 16 anos, continua cativando pessoas ao redor do mundo. E suas ações já começam a reverberar em Belo Horizonte.

A sueca foi a pioneira na organização de uma greve estudantil marcada para todas as sextas-feiras, chamada de “Fridays for Future”. O objetivo é de alertar população e poderes diversos sobre a crise climáticas que o planeta Terra passa. E três jovens belo-horizontinos parecem iniciar esses trabalhos na capital mineira.

O trio, composto por estudantes de graduação em ciências biológicas, encontra-se todo mês para manifestações. Elas já ocorreram na Praça Sete, no Centro da cidade, e na Praça da Liberdade, na Região Centro-Sul. Em 27 de setembro (sexta-feira), ativistas planejam se reunir na Praça da Liberdade e caminhar até a Praça da Assembleia, na mesma região.

Ato na Praça da Liberdade (Foto: Roberta De Abreu Fantini Scarpelli/Arquivo Pessoal)
Ato na Praça da Liberdade (Foto: Roberta De Abreu Fantini Scarpelli/Arquivo Pessoal)

“A importância principal é conscientizar as pessoas de que é urgente trazer a sensibilização de que o ‘apocalipse climático’ de 2050 está chegando. Alertar sobre como nosso mundo está à beira de algo irreversível. Vai ser difícil voltar atrás no aquecimento global”, disse Eduardo Gutseit, ao G1. Ele é um dos jovens que “importou” o movimento para BH.

“A gente não consegue chegar na quantidade de pessoas que a gente gostaria. Conscientizar os governantes e a população é uma tarefa difícil”, finalizou o ativista, demonstrando o quão difícil pode ser esse trabalho de mobilização.

Não é só BH que se inspira em Greta Thunberg para alertar as pessoas sobre a crise climática. Outros 19 municípios do Brasil também têm movimentos semelhantes, onde pessoas saem às ruas com cartazes com mensagens e também conversam com quem se interessar. A “Greve Pelo Clima” já está presente em mais de 100 países.

Atualmente, estima-se que seja necessário limitar o aumento da temperatura global em 1,5ºC para depois de 2052, segundo relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas - IPCC. Caso contrário, fenômenos críticos como fortes furacões e desoxigenação dos oceanos podem acontecer no planeta antes do esperado.


Postar comentário