Fiocruz quer fortalecer fitoterápicos em MG e SP

Instituição de pesquisa assegurou recursos junto ao Ministério da Saúde

Da Redação / Ecológico - redacao@revistaecologico.com.br
Saúde e Meio Ambiente
Publicado em: 09/01/2019

Com a proposta de contribuir com novas opções terapêuticas a partir do uso sustentável da biodiversidade, o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos), da Fiocruz, anunciou que dois projetos apoiados pela entidade asseguraram verba junto ao Ministério da Saúde para consolidar, em três anos, Farmácias Vivas em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG), e em Piacatu (SP).

“Os recursos serão investidos em quatro eixos principais: manipulação ou produção; controle de qualidade; dispensação; e capacitação. Em todos eles as ações visam à implantação ou consolidação da Farmácia Viva municipal, por meio da compra de equipamentos, materiais de consumo e pagamentos de despesas de viagem dos parceiros”, explica o engenheiro agrônomo Valério Morelli, que atua no Núcleo de Gestão em Biodiversidade e Saúde de Farmanguinhos.

De acordo com a Fiocruz, no município mineiro, onde o programa já está em funcionamento e é parceiro da instituição, a proposta é consolidar a produção da matéria-prima vegetal, de modo a promover autonomia na produção de plantas medicinais. Já no município paulista, a meta é implantar uma unidade da Farmácia Viva.

Sabedoria popular e ciência

O uso da cápsula de óleo de alho para diminuir o colesterol, a pomada de calêndula para curar feridas e o gel de calêndula com barbatimão para melhorar aftas na boca são alguns exemplos de uso dos fitoterápicos na rede pública de Betim. Conforme a prefeitura, eles não produzem tantas reações adversas e têm um custo bem acessível para o Sistema Único de Saúde (SUS).

A intenção principal do programa, porém, pontua a administração municipal, não é apenas fazer economia. O grande diferencial do programa, segundo a prefeitura, é o resgate da sabedoria popular.

Para substituir medicamentos tradicionais e por interagir com eles, os fitoterápicos só devem ser usados com indicação. Por isso, para ter acesso aos medicamentos fabricados à base de plantas medicinais, os usuários devem apresentar receita médica prescrita por profissionais capacitados. O pedido é feito nas Unidades Básicas com Saúde da Família e nas Unidades Básicas de Saúde.

Saiba mais:

Para atender aos moradores do município, a Farmácia Viva de Betim funciona de segunda a sexta-feira, das 07 às 19h, na Rua Leozino de Oliveira, 79, bairro Filadélfia. Outras informações pelo (31) 3597-8276.

Foto: Alexandre Matos (Farmanguinhos/Fiocruz)


Postar comentário