Fórmula 1 estabelece meta sustentável em GPs e planeja se tornar carbono zero até 2030

Organização também estuda que equipes realizarem todas as operações com fontes de energia renováveis
Matheus Muratori - redacao@souecologico.com
Sustentabilidade
Publicado em: 13/11/2019

Nessa terça-feira (12), a principal categoria de automobilismo do mundo divulgou uma nota oficial abordando a sustentabilidade nos eventos e nos carros. A Fórmula 1 quer, além de tornar todos os Grandes Prêmios (GPs) sustentáveis, que todas as equipes utilizem fontes renováveis para diversas operações, incluindo os carros, com a meta de ser carbono zero até 2030.

“Em seus 70 anos de história, a Fórmula 1 foi pioneira em inúmeras tecnologias e inovações que contribuíram para a sociedade e combateram as emissões de carbono. Desde a aerodinâmica inovadora ao design dos freios, o progresso liderado pelas equipes beneficiou centenas de milhões de carros de rua. Poucos sabem que as unidades de potência híbridas da Fórmula 1 atual são as mais eficazes do mundo, com mais potência e menos combustível e, portanto, gás carbônico”, disse Chase Carey, diretor executivo da Fórmula 1.

Apesar disso, a ideia é que os motores não sejam 100% elétricos, assim como ocorre na Fórmula E. Os motores híbridos, com uso de combustíveis fósseis e sistemas de recuperação de energia, são os cotados para serem utilizados nos carros da categoria.

Relacionado aos GPs, a ideia é que todo plástico seja substituído por materiais recicláveis. A medida envolveria público, equipes e até imprensa. “O nosso compromisso com a preservação ambiental é crucial. A FIA dá as boas-vindas para esta iniciativa da Fórmula 1. Não apenas é muito animador em relação ao futuro do esporte a motor, mas também pode gerar grandes benefícios para a sociedade”, elogiou Jean Todt, presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA).

Neste ano, o inglês Lewis Hamilton conquistou seu sexto título da Fórmula 1 (Foto: Divulgação/F1)
Neste ano, o inglês Lewis Hamilton conquistou seu sexto título da Fórmula 1 (Foto: Divulgação/F1)

Postar comentário