Guia de mergulho com raias e tubarões reúne práticas sustentáveis

Orientações baseadas em estudos científicos são destinadas a guias, operadores e comunidades de turismo
Educação Ambiental
Publicado em: 05/09/2018

Criado pelo WWF-Internacional, o Project Aware e o The Manta Trust, a publicação “Turismo Responsável: Tubarões e Raias – Um Guia de Melhores Práticas” traz orientações práticas e baseadas em estudos científicos destinadas a ajudar operadores de turismo, ONGs e comunidades locais a desenvolver e manter operações de turismo sustentáveis com espécies de raias e tubarões.

A exploração insustentável de raias e tubarões –causada principalmente pela sobrepesca – está presente em todo o mundo. Hoje, uma em cada quatro espécies está ameaçada de extinção. No entanto, em todo o mundo, o turismo com esses animais também tem aumentando em popularidade.

Atualmente, cerca de 400 operações de turismo bem estabelecidas concentram-se na interação com espécies de tubarões e raias, e estima-se que esse número possa mais que dobrar nos próximos 20 anos, gerando mais de US$ 780 milhões em nível global.

Andy Cornish, especialista do WWF-Internacional diz: “O ecoturismo focado em tubarões e raias tem grande potencial como estratégia de conservação. Se adequadamente projetado e gerenciado, pode fornecer benefícios econômicos diretos e indiretos alternativos para as comunidades e economias locais. No entanto, infelizmente, há orientação prática limitada por aí.”

A indústria, pesquisadores, ONGs e autoridades concordam que é urgentemente necessário orientar as melhores práticas para garantir que os locais de turismo sejam estabelecidos e operados de maneira que beneficie os tubarões, raias e comunidades locais. Além de, ao mesmo tempo, inspirar admiração, respeito e maior apreciação da necessidade de conservar esses animais.

Isabel Ender, da Manta Trust, acrescenta: “A falta de orientação sobre as melhores práticas pode muitas vezes deixar os operadores confusos sobre como avaliar o impacto e melhorar a sustentabilidade do seu funcionamento. Buscamos conselhos de cientistas e da indústria para ajudar a superar essa lacuna e oferecer um guia de melhores práticas – o primeiro desse tipo no mundo”.

Acesse aqui o guia completo!

Fonte: WWF


Postar comentário