Israel manterá auxílio enquanto for útil ao resgate

Diplomata e militar enfatizam espírito de colaboração com bombeiros de Minas, na busca por desaparecidos na tragédia
Rompimento de Barragem
Publicado em: 30/01/2019

O embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelly, voltou a afirmar que não há prazo para a permanência do Exército israelense no auxílio à busca de pessoas desaparecidas na tragédia de Brumadinho (MG), ocorrida na última sexta-feira.

A informação foi confirmada pelo coronel do Exército de Israel Colan Vach, que comanda a missão com 136 pessoas enviadas ao Brasil. “Estaremos aqui enquanto tivermos utilidade”, disse antes de explicar o uso de tecnologias para o resgate.

O diplomata e o militar enfatizaram o espirito de colaboração entre a equipe de Israel e o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais. “Aprendemos muito com os seus bombeiros”, disse o coronel Vach. Segundo o chefe da missão, a aplicação de “jato de água em alta pressão [como feita pelos brasileiros] torna a lama densa mais líquida”.

Antes da fala do militar, o embaixador Shelly declarou que “Israel tem um grande débito com o Brasil”. O débito começa ainda no período colonial “quando fomos perseguidos em Portugal e escapamos para o Brasil”, disse Shelly, em referência à vinda de judeus durante a invasão holandesa (1630-1657).

“O Brasil sempre nos recebeu com carinho”, salientou. “Depois do holocausto [1941-1945], também. Sempre que tivemos problemas, o Brasil esteve aberto para nós.”

 Foto: Israel/Defense Forces

Câmara térmica

Na segunda-feira (28), o tenente-coronel Eduardo Angelo, do Corpo de Bombeiros de Minas, comandante das operações de resgate, havia declarado que os equipamentos dos israelenses não eram efetivos para o tipo de desastre ocorrido. Angelo referia-se à câmera térmica usada pelos israelenses para encontrar pessoas soterradas.

“Eu ouvi que as câmeras térmicas não teriam uso, mas nós trouxemos todo o nosso equipamento. Ele pode ser muito útil, mas, neste caso, na maioria das vezes, não foi necessária”, reconheceu coronel Vach, salientando que trabalha com outros equipamentos de busca e resgate.

De acordo com Vach, Israel usa imagens de satélite para identificar as áreas afetadas antes e depois dos desastres e conta com diversos equipamentos de terra, além da câmera térmica, como sonares para busca sob água e sob terra, microcâmeras e localizadores de aparelhos celulares.

O chefe do Estado-Maior do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, coronel Erlon Dias Nascimento, também tratou a cooperação em tom elogioso. “A operação hoje ocorreu integrada perfeitamente; o balanço é positivo. Está sendo uma troca de experiências extremamente importante, além do intercâmbio de tecnologias e experiências operacionais.”

Fonte: Agência Brasil


Postar comentário