Moradores denunciam descarte irregular de lixo em lote vago

Problema foi constatado por vereadores na região do Barreiro, em BH
Da redacao* - redacao@souecologico.com
Resíduos Sólidos
Publicado em: 25/09/2019

Abandonado há mais de 40 anos, de acordo com os moradores, um grande lote vago na Alameda Chico Mendes tem tirado o sono da comunidade do Bairro Castanheira, na Região do Barreiro, em Belo Horizonte. A área soma mais de 5mil m² e estaria sendo usada como bota-fora, além de servir para venda e consumo de drogas e espaço para prostituição.

O mato alto e o despejo de lixo irregular estariam atraindo ratos, baratas, escorpiões e mau cheiro constante, além de permitir o acúmulo de água e o aumento dos focos de reprodução do mosquito da dengue, zika, febre amarela e chikungunya. A situação foi verificada pela Comissão de Saúde e Saneamento em visita técnica ao local, realizada na última segunda-feira (23/09).

“Além do risco à saúde de toda a comunidade, existe aqui uma área pública que deve ser ocupada com um equipamento público, aberto à comunidade”, destacou o parlamentar, lembrando que parte do terreno vago, aproximadamente 2mil m², é de propriedade da Prefeitura. Os outros cerca de 3mil m², que incluem a saída do terreno para a Alameda Chico Mendes, pertencem a um particular, que não acompanhou a visita.

Limpeza do terreno

Diante das reclamações dos moradores, SLU esclareceu que é responsabilidade do proprietário arcar com a limpeza do lote e a construção de um muro nos limites do terreno, além da pavimentação da calçada no afastamento em relação à via pública. Gerente da SLU Barreiro, Jonny Borges contou que o órgão é responsável apenas pela limpeza das vias públicas e calçada, o que é feito uma vez por semana no local.

Foto: Karoline Barreto/ CMBH
Foto: Karoline Barreto/ CMBH

Para minimizar o problema, a SLU garantiu que vai fazer uma limpeza geral no terreno e instalar uma placa indicando “ponto limpo” e informações para denúncias de mau uso do espaço (BH Resolve 156). Foi prometida a realização de uma campanha educativa porta a porta para sensibilizar a comunidade sobre os riscos do acúmulo de lixo irregular.

Coordenador de Atendimento Regional Barreiro, Walmir Anselmo Mattos afirmou que vai procurar o proprietário do terreno particular e agendar uma conversa para entender a situação e os motivos do aparente abandono do local. O gestor alertou que a Prefeitura “não pode fazer muito”, mas pode demandar a construção do muro e, se o proprietário não o fizer, pode aplicar as multas devidas.

* Com CMBH.


Postar comentário