Em Nova York, organizações brasileiras denunciam falta de compromisso do governo com desenvolvimento sustentável

Debate aconteceu nessa quarta-feira (17), durante o Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas
Da Redação / Ecológico - redacao@souecologico.com
Sustentabilidade
Publicado em: 18/07/2019

A coalizão de organizações da sociedade civil brasileira que dissemina e monitora a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) no Brasil, o GT Agenda 2030, se reuniu nessa quarta-feira (17) com representantes de governos e entidades não governamentais de outras partes do mundo, em Nova York, para debater e denunciar as dificuldades de se cumprir as metas globais de sustentabilidade em países como o Brasil. A crítica foi direcionada às políticas adotadas que contrariam os desafios estabelecidos no acordo firmado na ONU em 2015.

Divulgação/GT Agenda 2030
Divulgação/GT Agenda 2030

"O diálogo se concentra em como os princípios orientadores da Agenda 2030, que poderiam ser usados para abordar as múltiplas dimensões das vulnerabilidades e injustiças no mundo, foram minados por contextos políticos. Mostramos experiências de organizações da sociedade civil que estão enfrentando as desigualdades e promovendo os ODS em um cenário marcado pela piora na qualidade de vida de muitas pessoas, principalmente mulheres e meninas", explica a coordenadora geral da ONG Gestos e uma das cofacilitadoras do GT Agenda 2030, Alessandra Nilo.

Além de apresentar a experiência brasileira, o GT Agenda 2030 ouviu a de outros locais que também estão enfrentando desafios políticos. O encontro teve presenças de lideranças da Argentina, Estados Unidos, Filipinas e Reino Unido.

"Precisamos debater sobre a importância de adaptar os ODS ao contexto de cada estado e cidade brasileira e como aprimorar os mecanismos de controle social para garantir a evolução das políticas públicas a nível local. Hoje o cenário no Brasil é de redução da participação social e enfraquecimento dos órgãos de fiscalização. Estamos indo na direção contrária da Agenda 2030 e isso deve afetar significativamente os indicadores nacionais de desenvolvimento nos próximos anos, senão décadas", completa Carolina Mattar, também cofacilitadora do GT Agenda 2030 e coordenadora executiva do Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS).

O encontro se deu na sede da Visão Mundial Internacional, na 2ª Avenida, nº 919, tendo a Fundación para Estudo e Investigación de la Mujer (FEIM) e a Realizing Sexual and Reproductive Justice (Resurj) como parceiras. Ele ocorreu durante o Fórum Político de Alto Nível (High-level Political Forum – HLPF), evento das Nações Unidas para o acompanhamento e revisão da Agenda 2030, com a participação de todos os Estados membros da ONU.

Relatório Nacional

O governo brasileiro já anunciou que, neste ano, desistiu de apresentar o Relatório Nacional Voluntário sobre os ODS, durante o HLPF. O país foi um dos 47 entes nacionais que se comprometeram a mostrar a revisão e propostas de suas políticas públicas nos setores social e ambiental. Já a sociedade civil, assim como aconteceu em 2017 e 2018, apresentará a análise da situação brasileira, antecipando alguns dados do Relatório Luz. A edição 2019 está sendo finalizada e será lançada posteriormente no Brasil.

O Relatório Luz analisa a implementação dos ODS no Brasil a partir de dados oficiais e evidências. Desta vez, serão denunciados os retrocessos cometidos no último ano, como o desmonte do Ministério do Meio Ambiente; a proposta de reforma da Previdência; a tentativa de usurpar os direitos dos povos originários e tradicionais; o pacote anticrime que agrava injustiças sociais e raciais; a liberação recorde de novos agrotóxicos; e os cortes na educação, entre tantos outros.


Postar comentário