Origens Brasil ganha Prêmio Internacional de Inovação para a Alimentação e Agricultura Sustentáveis

Cerimônia realizada na última quarta-feira (26), em Roma, premiou a iniciativa financiada pelo Fundo Amazônia, cuja continuidade está ameaçada
Da Redação / Ecológico - redacao@souecologico.com
Agronegócio
Publicado em: 02/07/2019

O Origens Brasil é uma rede de articulação multissetorial (produtores, empresas, e consumidores), concebida pelo IMAFLORA e Instituto Socioambiental (ISA), que visa mudar a forma convencional de se fazer negócios com produtos da sociobiodiversidade estimulando negócios mais éticos e transparentes, acaba de ganhar o Prêmio Internacional de Inovação para a Alimentação e Agricultura Sustentáveis da ONU - Organizações das Nações Unidas. O objetivo do prêmio é reconhecer inovações no mundo capazes de contribuir para a transformação dos sistemas alimentares, reduzir a fome no mundo, e para a segurança alimentar da agricultura familiar.

Giuseppe Carotenuto/FAO
Giuseppe Carotenuto/FAO

A cerimônia foi realizada na última quarta-feira (26), durante a 41ª Conferência da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), na cidade de Roma, na Itália, sede da organização. A FAO vê a inovação como uma força motriz fundamental para um mundo livre de fome e de desnutrição, onde a agricultura e a alimentação possam contribuir para a redução da pobreza de maneira econômica, social e ambientalmente sustentável. A inovação é um conceito que tende a estar diretamente relacionado à tecnologia e também um processo no qual as instituições colocam em uso produtos, processos ou formas de organização para aumentar a eficiência, a competitividade e a resiliência, a fim de resolver um problema.

"Esse Prêmio concedido pela FAO tem um significado muito especial e é um reconhecimento importantíssimo para os povos da floresta e para a valorização da economia de baixo carbono, principalmente considerando o momento atual que o Brasil está passando, de fortes ameaças às políticas socioambientais já conquistadas", declara Patrícia Cota Gomes, coordenadora da iniciativa no IMAFLORA, durante a cerimônia.

Contribuindo com o esforço mundial para alcançar Fome Zero, o Origens Brasil é co-vencedor, juntamente com a Practical Action Bangladesh, na Categoria A do Prêmio Inovação para a Agricultura e Alimentação Sustentável. O Prêmio é financiado pelo Governo Federal da Suíça e direcionado para inovações relacionadas à agricultura e sistemas pastoris, de acordo com o requisitos e competências técnicas do doador.

O Origens Brasil completou três anos em 2019, atuando com mais de 1.500 produtores de 34 diferentes etnias, 40 organizações locais e comunidades, 14 empresas, mais de 40 diferentes produtos e ingredientes e opera em 36 áreas protegidas, trabalhando em rede para promover uma economia mais descarbonizada e que mantém as florestas de pé. Parcerias com grandes empresas como Wickbold, Mercur, Pão de Açúcar e Lush constroem relações comerciais diferenciadas com os povos da floresta, com origem, transparência e ética, contribuindo para a valorização dos povos, da sua cultura e de seus territórios.

Atualmente o Origem Brasil é 100% financiado pelo Fundo Amazônia, um importante fundo de conservação da Amazônia, que tem permitido escalonar iniciativas como estas que conseguem conciliar a produção com a preservação, mas que estão seriamente ameaçados de continuidade em função dessas políticas atuais. A Associação Indígena Khisêtje e a ATIX - Associação Terra Indígena do Xingu, também premiadas pela ONU também recebem aporte financeiro do Fundo Amazônia. O Brasil abriga a maior biodiversidade do planeta, contando com mais de 20% do total de espécies conhecidas na Terra. Esse percentual garante ao país o posto de principal nação entre os 17 países com maior índice de biodiversidade (Fonte: Ministério do Meio Ambiente).

"A continuidade do Fundo Amazônia, contribuindo com recursos que viabilizem ações para a manutenção da floresta em pé e valorização das populações tradicionais e povos indígenas, é essencial para fazer emergir e escalonar inovações como essas que sejam capazes de contribuir para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) do milênio e reconhecer o importante papel desses povos como guardiões históricos destas florestas, patrimônio de toda a humanidade", finaliza Patrícia.

Fonte: Agência Lema


Postar comentário