Parque Estadual Serra Verde abre programação gratuita com trilhas temáticas

A unidade tem 142 hectares de área preservada com uma rica diversidade aberta ao público com calendário de janeiro a junho
Biodiversidade
Publicado em: 24/01/2019

A correria do dia a dia da cidade não é desculpa para a falta de contato com a natureza e a prática de atividades ao ar livre. Em Belo Horizonte, por exemplo, o Parque Estadual Serra Verde (PESV), no Vetor Norte, tem diversas atrações para colocar o visitante bem pertinho da natureza. A unidade de conservação de 142 hectares de área preservada conta com uma rica programação gratuita e aberta ao público.

A lista inclui trilhas temáticas que apresentam os recursos naturais existentes na unidade de conservação, gerenciada pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF). O parque fica próximo à Cidade Administrativa, sede do Governo de Minas, no Bairro Serra Verde.

As trilhas são organizadas para um grupo de aproximadamente 30 pessoas. São elas: a Trilha Caça às Galhas; a Trilha da Água; a Trilha dos Rastros, a Trilha dos Solos e a Trilha Noturna. As cinco primeiras são realizadas sempre no primeiro sábado de cada mês, durante o dia. Já a noturna ocorre durante a semana, em dias úteis. A atividade é gratuita e tem duração de aproximadamente três horas.

De acordo com o gerente do PESV e analista ambiental do Instituto Estadual de Florestas (IEF), André Portugal, os temas são escolhidos de acordo com os recursos naturais encontrados no parque. A escolha também concilia conhecimento e a qualificação do monitor que irá guiar o grupo. “A equipe de profissionais do parque conta com geógrafo, biólogo e técnico ambiental. Biólogos de outras instituições também são convidados para guiar as trilhas”, disse.

Os passeios são ofertados ao público em geral. “Nosso objetivo é conscientizar a comunidade sobre a necessidade de preservar o ecossistema, além de proporcionar aos visitantes um contato mais próximo com a natureza”, enfatiza.

André Portugal explica que, apesar das espécies presentes no parque sofrerem com a pressão antrópica, em razão do parque estar inserido em área urbana, ainda é possível encontrar uma rica diversidade da fauna e da flora. “São aproximadamente 140 espécies de aves, 20 de mamíferos de médio porte e insetos, como borboletas, abelhas e outros. Além da flora que é composta de grande diversidade de Cerrado e Mata Atlântica, devido à área do parque ser de transição entre os dois biomas”, explica.

Entre os mamíferos, podem ser encontrados capivara, cachorro-do-mato, porco-espinho, gambá, guaximim, mão-pelada. Com relação às aves é possível observar a presença de tucano, sabiá, pica-pau, urutau, coruja-orelhuda, águia-chilena, fura-barreira, águia cinzenta, mocho-diabo e uma espécie de pássaro, registrado pela primeira vez na cidade, o garrinchão-de-barriga-vermelha.

O cenário de preservação é composto ainda de rica flora com a presença de ipês, jacarandás, coqueiros, macaúbas, ingás, jatobás, cedros, jacarandás-do-mato, copaíbas, juntamente com cerca de 30 nascentes mapeadas. Das nascentes catalogadas, três têm acesso à visitação.

De acordo com o geógrafo e monitor do IEF, Miguel Filho, além de toda a pluralidade de natureza encontrada no parque, existem três pontos estratégicos que são considerados os pontos mais altos da zona norte da cidade: os mirantes.

Foto: Evandro Rodney
Foto: Evandro Rodney

Saiba mais

Trilha "Caça às Galhas"

Há sempre uma nova forma de se realizar uma caminhada e o trekking é uma maneira de se trilhar conciliando aprendizado e diversão. Vamos à “caça às galhas”, estruturas botânicas pouco conhecidas, mas muito diversas na natureza e no parque. O objetivo dessa trilha é introduzir noções dessa modalidade esportiva e apresentar as fascinantes estruturas das galhas.

Trilha da Água

O objetivo da caminhada é visitar os principais cursos d'água da unidade de conservação, abordando o histórico do uso da água na região e a atual situação dos corpos d'água que banham o parque.

Trilha dos Rastros

Grande parte da nossa fauna silvestre, especialmente os mamíferos, são de difícil visualização. Uma maneira interessante de descobrir se existe a presença do animal nas florestas é a busca por pistas como pegadas, trilhas e tocas. O objetivo dessa trilha é apresentar aos participantes a fauna local por meio de pistas deixadas no ambiente pelos animais.

Trilha do Solo

Nesta trilha os visitantes conhecem um pouco sobre o solo presente na unidade de conservação, que se constitui como um valioso e frágil recurso natural do qual dependem não apenas a biodiversidade, mas também os recursos hídricos e a própria sobrevivência do homem.

Trilha Noturna

Parte da nossa fauna silvestre é discreta e raramente avistada, com maior período de atividade durante a noite. Por isso, a equipe do Parque Estadual Serra Verde realiza, trimestralmente, a caminhada noturna. O objetivo é apresentar aos participantes a fauna noturna e a dinâmica da vida selvagem durante este período.

Para realizar o passeio é obrigatório a comprovação de vacinação contra a febre amarela (trazer cópia do cartão). Também é recomendável que o participante traga água, use calçado fechado, calça comprida, boné/chapéu, filtro solar e repelente contra insetos.

As inscrições devem ser realizadas na semana anterior em que ocorre a caminhada, por meio do e-mail peserraverde@meioambiente.mg.gov.br ou pelo telefone (31) 3455-5266, indicando o nome do participante, telefone, e-mail e a cidade de residência.

Confira o calendário de visitações:

9/2 (8h30 a 11h30) - Trilha "Caça às Galhas"

9/3 (8h30 a 11h30) - Trilha da Água

6/4 (8h30 a 11h30) - Trilha dos Rastros

4/5 (8h30 a 11h30) - Trilha do Solo

6/6 (8h30 a 11h30) - Trilha Noturna

Fonte: Agência Minas


Postar comentário