Prefeitura vai realizar obras para evitar inundações na região oeste de BH

Vereadores apuraram que intervenções estão em fase de licitação
Da Redação - redacao@souecologico.com
Urbanismo
Publicado em: 11/11/2019

A Comissão de Saúde e Saneamento da Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH) apurou, junto à Sudecap e à Regional Oeste, que as obras contenção das águas pluviais no Córrego do Cercadinho estão em fase de licitação. Nesta sexta-feira (08), o grupo visitou o córrego, na Rua Orquídeas, esquina com Rua das Espatódias, no Bairro Betânia, Região Oeste da capital.

Após a realização das obras, será avaliada a possibilidade de abertura da via e, em seguida, de reconstrução de uma passarela sobre o córrego. Segundo os moradores, há mais de quarenta anos, em época de chuvas, o córrego transborda, causando inundações.

Conforme informou o gerente de Manutenção da Regional Oeste/Sudecap, Maurício Fonseca Brandão, as obras de contenção estão em processo de licitação por meio de pregão e quando o processo for concluído, as obras poderão ser iniciadas. A intenção da Sudecap é iniciar a obra logo que possível, em função das chuvas.

De acordo com Brandão, a obra pode executada em curto prazo, com a construção de um gabião em toda a margem do córrego. Mas, devido ao risco, ele explicou que é preciso que se executem primeiramente as obras de contenção, antes de se dar início às de pavimentação da via e de reconstrução da passarela, que não faz parte do mesmo processo licitatório.

Foto: Divulgação / CMBH
Foto: Divulgação / CMBH

Lançamento de esgoto no córrego

Segundo Carlota Alves, da Diretoria de Gestão de Águas Urbanas da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura (SMOB), a secretaria está fazendo a captação de recursos somente para a elaboração do projeto, não para a obra. Na oportunidade, ela disse a Copasa informou que após a conclusão das obras de contenção, será feito um estudo para impedir o lançamento de esgoto no córrego, com a instalação de uma elevatória, ou de um interceptor na tubulação em um dos trechos.

A Prefeitura informou que devido à ausência de um meio-fio na via e de uma rede de drenagem no córrego, com lançamento de esgoto no meio da encosta, agravou-se o problema da erosão. Assim, ações paliativas foram adotadas no início deste ano, buscando minimizar o problema.

De acordo com o coordenador da Regional Oeste, Sylvio Malta, com o projeto pronto, recursos disponíveis e as obras em fase licitação, a previsão é de que dentro de um ano, poderá se ter uma nova visão do local.


Postar comentário