Presépio colaborativo é atração em BH

Exposição, na Casa Fiat de Cultura, é inspirada no Pipiripau e tem mini-cidade com 1.200 casinhas confeccionadas por 500 pessoas
Inspiração
Publicado em: 07/12/2018

Um trem atravessa uma cidadezinha arborizada onde coexistem casas e ocas, passando por bairros de construções históricas e contemporâneas. No alto da montanha, um letreiro no qual se lê “Merry Christmas” (“Feliz Natal”, em português) anuncia as comemorações de dezembro. Das janelas do trem é possível ver diversos presépios espalhados pelas ruas, dos mais tradicionais aos mais curiosos, onde misturam-se ovelhas e lhamas. Na parte de trás, um vulcão adormecido consente com os preparativos para um alegre Natal.

Essa mini-cidade imaginária é o novo Presépio Colaborativo da Casa Fiat de Cultura. Construído com a participação do público e curadoria do artista plástico Leo Piló, ele ficará aberto à visitação até 6 de janeiro. A 4ª edição do projeto é uma homenagem ao Presépio do Pipiripau, criado pelo artesão mineiro Raimundo Machado Azeredo e tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

As 500 pessoas que participaram do Ateliê Aberto do Presépio Colaborativo mostraram o que é a mineiridade nos dias de hoje. Para o curador Leo Piló, o engajamento do público na confecção das peças foi essencial.

“nesta edição, o envolvimento das pessoas transformou ainda mais o presépio. Os participantes reinventaram a ideia de cidade, deram identidade a cada bairro e a cada personagem. Começamos a construir uma cidade de interior em torno de uma ferrovia, como acontecia antigamente e com o tempo trouxemos mais tecnologia a alguns bairros de acordo com as sugestões dos visitantes que quiseram colocar aviões, por exemplo. Agora temos uma cidade mista, com o toque de cada pessoa que passou pelas oficinas”, comenta.

Como nas edições anteriores, o presépio foi inteiramente construído com materiais reciclados: papelão, isopor e paletes doados pela Ilha Ecológica da Fiat, além de caixas de remédio vazias doadas pelo público que participou das oficinas.

Vida à cidade

“O papelão foi o principal material usado este ano. No Brasil, 66% do papel fabricado já é reutilizado, mas queremos que esse percentual aumente e esperamos incentivar as pessoas por meio da arte”, frisa Piló. Foram confeccionadas 1.200 casinhas nos 16 bairros do presépio. Entre igrejas, fábricas e quintais com balanços e roupas no varal, janelas iluminadas e o trem em movimento dão vida à cidade.

O ar interiorano do curral e da região inspirada na arquitetura de Ouro Preto é contrastado, mais à frente, com um aeroporto e ruas onde passam carros. Da área indígena à industrial, há um verdadeiro encontro das tradições e das inovações em uma só cidade, trazendo a mensagem da sustentabilidade. A italianidade presente em Minas Gerais também está refletida na instalação: o bairro Nápoles é inspirado na cidade homônima da Itália, famosa pelo costume de construir presépios, e conta até com o vulcão Vesúvio.

Exposição interativa

Além de conhecer o Presépio Colaborativo, o público poderá deixar mensagens de Natal em cartões que serão pendurados em uma árvore no espaço expositivo. Alguns objetos interativos criados por Leo Piló também estarão disponíveis para manuseio. São engenhocas que remetem àquelas feitas por Raimundo Machado para dar movimento ao Presépio do Pipiripau. Feitas de madeira, cordas e outros materiais tradicionais, lembram brinquedos antigos que prometem alegrar a visitação.

Serviço:

Casa Fiat de Cultura

Praça da Liberdade, 10 – Funcionários – BH/MG

Funcionamento: terça a sexta, das 10h às 21h – Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

Informações: (31) 3289-8900


Postar comentário