Representantes do Copam e da Vale vão depor em CPI

Funcionários da Gerência de Geotecnia Operacional da empresa serão ouvidos na condição de investigados pelo desastre de Brumadinho
Da Redação* - Sou Ecológico - redacao@souecologico.com
Política
Publicado em: 13/05/2019

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Barragem de Brumadinho ouve hoje integrantes da Câmara de Atividades Minerárias do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam) e da Gerência de Geotecnia Operacional da Vale. Os depoimentos serão coletados em duas reuniões, que acontecerão no Plenarinho IV da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

A reunião com os integrantes da Câmara da Copam começa às 14h30. Nela, serão ouvidos todos os que participaram da reunião realizada em 11 de dezembro de 2018, em que foi aprovado pedido de descomissionamento da barragem do Córrego do Feijão, que posteriormente se rompeu, em 25 de janeiro de 2019, causando a morte de centenas de pessoas. A solicitação da Vale previa uma ampliação das atividades em suas minas de Jangada e Córrego do Feijão.

De acordo com a ata da reunião da Câmara de Atividades Minerárias, que está disponível no site da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), oito representantes presentes na reunião votaram a favor do pedido da Vale, dois se abstiveram e uma votou contra. Todos foram convocados a comparecerem à ALMG, de acordo com o requerimento da CPI.

Votaram a favor os representantes da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes); da Secretaria de Estado de Governo (Segov); da Secretaria de Estado da Casa Civil e Relações Institucionais (Seccri); da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig); do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram); do Sindicato da Indústria Mineral do Estado de Minas Gerais (Sindiextra); da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Minas Gerais (Federaminas); e do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea).

Foto: Clarissa Barçante / ALMG
Foto: Clarissa Barçante / ALMG

As abstenções foram dos representantes do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet). O único voto contrário foi da representante do Fórum Nacional da Sociedade Civil nos Comitês de Bacias Hidrográficas (Fonasc), Maria Teresa Corujo.

SEGUNDA REUNIÃO

A outra reunião, em que a CPI irá ouvir os funcionários da Vale, será realizada na próxima quinta-feira (16) a partir de 09h30.

Serão ouvidos três integrantes da Gerência de Geotecnia Operacional da Vale: Renzo Albieri Guimarães Carvalho, Artur Bastos Ribeiro e Cristina Heloísa da Silva Malheiros – todos na condição de investigados. Os três foram citados, em reunião da CPI realizada em 9 de maio, como integrantes da equipe que tinha responsabilidade técnica pela segurança da Barragem B1, que rompeu na Mina Córrego do Feijão, no dia 25 de janeiro.

A citação dos três funcionários foi feita por integrantes da equipe de Geotecnia Corporativa da Vale, que foram ouvidos em 9 de maio.

As duas reuniões atendem a requerimentos assinados pelos parlamentares que integram a comissão, incluindo seu presidente, deputado Gustavo Valadares (PSDB).

(*) Com informações da ALMG.


Postar comentário