Risco de rompimento de barragem assombra Sarzedo

Em audiência realizada na ALMG, moradores relatam descaso da mineradora Itaminas e da Prefeitura sobre o assunto
Da Redação / redacao@revistaecologico.com.br
Mineração
Publicado em: 29/05/2019

“O poder público de Sarzedo e a empresa estão totalmente despreparados para lidar com essa situação. Queremos interesse deles pela vida das pessoas. Nos sentimos abandonados. A Itaminas não comprou nem instalou as sirenes, não fez treinamento da população, não instalou placas de advertência."

A frase de Henrique Lazarotti, representante da Comissão dos Moradores de Sarzedo pelo Fim das Barragens, deu o tom da audiência pública realizada pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), no início desta semana.

Acompanhado de outros representantes da população da cidade, que fica na Região Metropolitana de Belo Horizonte, ele relatou o descaso que vem sendo feito por parte da prefeitura da cidade, de vereadores e da mineradora Itaminas Comércio de Minérios, responsável pela Barragem B4, que fica no município.

Desde 2017 circulam pela região rumores sobre o risco de rompimento da estrutura, próxima de onde era a barragem da Mina do Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho, que se rompeu em 25 de janeiro deste ano e deixou mais de 240 mortos.

O coordenador da Comissão Pastoral da Terra de Minas Gerais, frei Gilvander Luís Moreira, defendeu na audiência o fim do modelo de mineração vigente e um processo de licenciamento ambiental mais transparente, além da desativação das barragens e a indenização pelos danos causados. “O Ministério Público precisa defender o povo, não o capital”, enfatizou.

Foto: Willian Dias/ALMG
Foto: Willian Dias/ALMG

"É um drama que não desejo a ninguém. Estamos vivendo os três estágios da mineração: o risco de abrir uma nova mineradora, o risco da barragem se romper e a dor cotidiana do que ocorreu em Brumadinho, muito próxima de nós", relatou o agricultor e morador de Sarzedo Bruno Lopes.

Ravel Marques, militante do Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM), afirmou que os municípios mineiros não podem mais depender da mineração para se desenvolver. “Precisamos investir em agroecologia, turismo e em conhecimento, nos diversos potenciais que nosso município tem. Estamos vivendo um pesadelo. Pessoas dormindo dentro de carros em Barão de Cocais com medo do desabamento da barragem. Estamos psicologicamente muito abalados”, declarou.

A deputada Beatriz Cerqueira (PT) disse que a Itaminas não participou da reunião porque não foi convidada, pois o objetivo da audiência era ouvir a população livremente, sem a relação de poder que a empresa estabelece com os moradores.

Processo suspenso

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Meio Ambiente (Sindsema), Adriano Tostes de Macedo, falou pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e trouxe informações relativas à fiscalização da barragem em Sarzedo.

“Todas as questões estão sendo consideradas. A B4 está com a operação paralisada, o licenciamento retido, os técnicos estão analisando. O processo está suspenso pela secretaria”, esclareceu. E afirmou que a secretaria irá ouvir a população e estabelecer com ela um diálogo direto.

(*) Com informações da ALMG.


Postar comentário