Vereador quer antecipar prazo de obras para captar água no Paraopeba

Proposta visa reduzir risco de desabastecimento hídrico de BH no ano que vem
Da redação* - redacao@souecologico.com
Rompimento de Barragem
Publicado em: 06/09/2019

O vereador Irlan Melo (PL) afirmou, no Plenário da Câmara Municipal de Belo Horizonte, nessa quinta-feira (05/09), que Belo Horizonte corre o risco de desabastecimento hídrico no ano que vem caso não haja antecipação da entrega de uma nova fonte de captação de água, a ser custeada pela Vale. De acordo com o parlamentar, as obras para a construção de um novo sistema de captação ainda não teriam sido iniciadas.

Como relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Barragens, o vereador Irlan Melo recomendou o indiciamento da Vale e, em Plenário, afirmou que a previsão é de que as obras comecem em outubro. Irlan também afirmou discordar do prazo limite para entrega das obras: setembro de 2020.

Segundo o parlamentar, caso a captação de água em um novo ponto do rio não seja iniciada até março do ano que vem, Belo Horizonte corre o risco de ter que conviver com o desabastecimento hídrico. O vereador classificou as obras como emergenciais e pediu que a Vale seja pressionada a antecipar a entrega da nova fonte de captação para o primeiro trimestre de 2020.

Vale iníciou dragagem para retirar lama do Rio Paraopeba - Foto: Vale / Divulgação
Vale iniciou dragagem para retirar lama do Rio Paraopeba - Foto: Vale / Divulgação

Nova captação no Paraopeba. O Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável informaram que estão trabalhando prioritariamente para apoiar todas as ações que possam fortalecer a segurança hídrica da RMBH. Na quarta-feira, o Igam publicou uma portaria autorizamdo a Copasa a captar cinco mil litros por segundo no Rio Paraopeba.

A captação será feita em um novo ponto, situado 2,3 quilômetros acima do trecho do Paraopeba que foi impactado pelos rejeitos que vazaram da Barragem 1, da Mina Córrego do Feijão, da mineradora Vale.

De acordo com o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Germano Vieira, este é um importante passo para atendimento à demanda do abastecimento público, que é prioritária para a população e o governo. “Trata-se de um passo concreto para garantia da segurança hídrica da região metropolitana, que é beneficiada por essa captação. É importante ressaltar que este ponto está em um trecho do Rio Paraopeba que não foi impactado pelo rompimento e que não tem nenhuma associação com rejeito”, afirma.

O diretor de Operação Metropolitana da Copasa, Guilherme Frasson, afirma que, a partir da publicação da outorga, as obras de implantação da nova captação poderão ser iniciadas. “Esse é um passo fundamental para assegurar que o abastecimento na RMBH volte à sua normalidade”, comentou.

Foto: Divulgação / Vale
Foto: Divulgação / Vale

Prazo das obras. Em nota à imprensa, a Vale informou que desde a suspensão da captação de água do Paraopeba vem buscando alternativas tecnicamente viáveis para o caso de um cenário, ainda que remoto, de crise hídrica em Belo Horizonte e região. A Mineradora ressaltou também que o prazo limite para a conclusão das obras da nova estrutura de captação no Paraopeba é setembro de 2020, mas que está trabalhando junto à Copasa para terminar no menor prazo possível.

* Com informações da CMBH.


Postar comentário