Vereadores de BH vistoriam obras no Rio Paraopeba

Intervenção é considerada essencial para impedir desabastecimento de água da Região Metropolitana
Da redação* - redacao@souecologico.com
Brumadinho
Publicado em: 12/12/2019

Retomadas após determinação da Justiça, as obras de construção de novo ponto de captação de água da Copasa no Rio Paraopeba foram visitadas no início desta semana pela Comissão de Meio Ambiente e Política Urbana da Câmara de BH. As obras são a principal alternativa à possibilidade de desabastecimento de água da Região Metropolitana após o rompimento da barragem de rejeitos da Vale no Córrego do Feijão, em Brumadinho, o que impossibilitou a captação já existente em outro ponto do rio.

“Terminamos a CPI, mas nossa preocupação continua em relação ao abastecimento de água de Belo Horizonte e da Região Metropolitana. Por isso, viemos aqui conhecer a obra e conferir o que está sendo feito para que não haja racionamento e falta de água para a população”, afirmou o vereador Irlan Mello (PL) aos representantes da Vale durante a visita.

A CPI das Barragens ouviu integrantes da Vale, de movimentos sociais envolvidos com o tema, além de vários órgãos e empresas do poder público. Finalizada em agosto deste ano, a CPI apresentou relatório que foi entregue à Câmara Federal e atuou com outros órgãos no sentido de encontrar soluções para o desabastecimento de água e informar com clareza todas as questões relativas ao problema à comunidade de Belo Horizonte.

Serão aplicados pela Vale cerca de R$ 450 milhões no novo sistema de captação - Foto: Bernardo Dias / CMBH
Serão aplicados pela Vale cerca de R$ 450 milhões no novo sistema de captação - Foto: Bernardo Dias / CMBH

Obras em andamento

Segundo a Vale, o novo sistema no Rio Paraopeba vai captar a mesma quantidade de água do antigo, que foi atingido pelos rejeitos, mantendo o abastecimento das cidades atendidas anteriormente.

“A obra contará com 1.500 funcionários e está sendo acompanhada por técnicos da Copasa. Adiantamos o recebimento de parte do material e temos 3.000 metros de tubos já prontos para a instalação. Os terrenos adquiridos pela empresa, incluindo a área de servidão, serão doados para a Copasa, além de toda rede elétrica que estamos fazendo, que será entregue para a Cemig, que demoraria 11 meses para executar os trabalhos. Estamos construindo nove quilômetros de rede elétrica”, afirmou o gerente de engenharia e construção da Vale, Luciano Alvarenga.

Ainda segundo o Alvarenga, a empresa acredita na entrega antes do prazo acertado com o Ministério Público, marcado para setembro de 2020. “O prazo é setembro, mas temos o mês de julho como referência para o início da captação”, afirmou.

* Com informações da CMBH.


Postar comentário