Washington Post investiga causas dos incêndios na Amazônia

Jornal descartou as ONGs, posto que ninguém apresentou qualquer evidência do envolvimento delas
Da Redação / Ecológico - redacao@souecologico.com
Meio Ambiente
Publicado em: 10/10/2019

Bolsonaro apontou uma dúzia de possíveis razões para a intensificação dos incêndios, incluindo a ação de ONGs. Seu ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, afirmou que o clima intensificou o incêndio. Ambientalistas apontaram para o grande agronegócio. E o ex-deputado americano (do Partido Democrata), John Delaney, pré-candidato a presidente no ano que vem, disse que foi a guerra comercial do presidente Trump com a China que começou tudo.” Trump teria bloqueado a venda de soja americana para a China, o que aumentou a demanda pela soja brasileira e levou ao aumento do desmatamento e dos incêndios.

O Washington Post (WP) diz que todas essas explicações não podem estar certas e abriram uma investigação para entender o que aconteceu.

Douglas Morton, da NASA, diz que “os incêndios de 2019 não atingiram os níveis do início da década de 2000.” Mas ele completa dizendo que os incêndios “começaram cedo neste período seco, o que tende a ter sido motivado por pressões econômicas ao invés de condições climáticas e estão nos locais onde se espera encontrar incêndios por desmatamento.”

Divulgação/Seplag
Divulgação/Seplag

O WP descartou as ONGs, posto que ninguém apresentou qualquer evidência do envolvimento delas. Também descartou a soja, dizendo que os fazendeiros estão preocupados com sua imagem perante compradores estrangeiros e que, examinando os locais dos incêndios, fica claro que as plantações estão distantes de onde a floresta pegou fogo. Tudo isso aponta para a limpeza de área para novas pastagens.

O artigo termina fazendo a conexão entre os incêndios, o desmonte ambiental do governo Bolsonaro e o estímulo presidencial à ações criminosas, como o “Dia do Fogo”.

Fonte: Climainfo


Postar comentário